Denios
Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa
Problab é 100% português

Biofungicida derivado do tremoço autorizado para mais 60 usos menores

28/05/2024
O Problab, biofungicida desenvolvido por investigadores portugueses a partir do tremoço e comercializado pela Lusosem em Portugal, obteve autorização para 60 usos menores num conjunto diversificado de culturas hortofrutícolas, subtropicais, plantas aromáticas e canábis medicinal.
Sementes germinadas de tremoço doce (Lupinus albus)
Sementes germinadas de tremoço doce (Lupinus albus)

A extensão de autorização do Problab ocorre na segunda campanha de comercialização do biofungicida português e após ter demonstrado ser eficaz a prevenir as principais doenças fúngicas em videira e tomateiro, pomares de frutos de caroço, morangueiro, beringela e arroz.

As doenças alvo da autorização são a podridão cinzenta (Botrytis cinerea), o oídio (Oidium sp.; Golovinomyces cichoracearum; Sphaerotheca sp.; Sphaerotheca fuliginea; Leveillula taurica, Podosphaera aphanis; P. mors-uvae; Microsphaera vaccinii; Erysiphe pisi; Phyllactinia guttata; Oidium mangiferae), a antracnose (Colletotrichum acutatum, Colletotrichum gloeosporioides), o crivado (Wilsonomyces carpophilus), a moniliose (Monilinia sp.) e a esclerotinia (Sclerotinia sclerotiorum).

A autorização para estes novos 60 usos menores, “vem reforçar o nosso compromisso com a inovação, proporcionando ferramentas aos agricultores alinhadas com os conceitos do bem-estar vegetal e da sustentabilidade”, afirma Filipa Setas, responsável de Desenvolvimento e Inovação na Lusosem.

Problab é um novo conceito de fungicida natural à base de uma proteína obtida do extrato aquoso de sementes germinadas de tremoço doce (Lupinus albus), desenvolvido e patenteado pela CEV, uma PME portuguesa. O acordo de distribuição entre ambas as empresas foi firmado na viragem da década.

A Lusosem explica em comunicado que a nova solução apresenta um novo modo de ação multi-sítio, atuando ao nível da parede e membrana celular dos fungos e no interior da célula bloqueia o metabolismo através da inativação de múltiplas enzimas. É um produto de contacto, mas também apresenta atividade translaminar, penetrando no interior dos tecidos vegetais. Integrado num programa de proteção de culturas, em alternância com outros modos de ação, diminui fortemente a probabilidade de desenvolvimento de resistências por parte dos fungos.

Os agricultores podem aplicar o Problab até à fase final do ciclo das culturas, sem risco de contaminação dos alimentos. O produto está autorizado em Agricultura Biológica.

Usos menores agora autorizados:

  • amendoeira,
  • nogueira,
  • aveleira,
  • abacateiro,
  • mangueira,
  • romãzeira,
  • framboesa,
  • amora,
  • mirtilo,
  • kiwi,
  • abóbora,
  • pimento,
  • malagueta,
  • melão,
  • melancia,
  • pepino,
  • courgette,
  • ervilha,
  • fava
  • diversas plantas aromáticas (alecrim, aneto, coentros, funcho, hortelã-comum, hortelã-pimenta, loureiro, manjericão, orégãos e salsa)
  • canábis medicinal.

REVISTAS

Siga-nos

Media Partners

NEWSLETTERS

  • Newsletter iAlimentar

    19/06/2024

  • Newsletter iAlimentar

    12/06/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.ialimentar.pt

iAlimentar - Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Estatuto Editorial