Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa
16% dos vendedores de vinho procuram novos produtos sem álcool para introduzir na respetiva gama

Oportunidades para os vinhos e espumantes sem álcool

13/01/2024

Os vinhos e espumantes sem álcool ou com baixa graduação alcoólica ("no-low") apresentam oportunidades interessantes no mercado internacional, tal como indica um estudo elaborado pela ProWein. Assim, um em cada três vendedores vê muito boas oportunidades de venda para os vinhos com baixo teor de álcool e um em cada quatro também para o vinho sem álcool. Os vinhos espumantes e brancos sem álcool são, atualmente, os mais populares.

As empresas do setor vitivinícola mundial estão a responder de forma proativa aos atuais desafios da crise económica, tal como indica o ProWein Business Report 2022, que inquiriu cerca de 2500 especialistas do setor, de 47 países, sobre os seus planos para 2023. Quase metade (46%) dos produtores e comerciantes de vinho querem adaptar a sua carteira de produtos às tendências do mercado e 27% estão a investir em produtos inovadores.

Imagen

À escala mundial, a categoria "sem álcool" é um dos segmentos de bebidas que regista um crescimento mais rápido. Esta inovadora categoria é constituída principalmente por bebidas alcoólicas desalcoolizadas ou com um volume de álcool inferior ao habitual. De acordo com o IWSR, as vendas globais de bebidas sem álcool em 2022 ultrapassaram os 22 000 milhões de dólares e prevê-se um crescimento anual das vendas de 7% até 2026, com 90% a representar a maior parte do crescimento em toda a indústria das bebidas.

Até à data, o crescimento internacional do mercado sem álcool tem sido impulsionado sobretudo pelas primeiras inovações nas cervejas e sidras, mas nos últimos anos também se registaram grandes progressos no que diz respeito à qualidade do produto através da desalcoolização dos vinhos. Embora a quota de mercado dos vinhos e espumantes sem álcool ou com baixo teor de álcool (“no-low”) continue a ser pequena, está a registar taxas de crescimento muito boas em muitos países. Por este motivo, a ProWein, em colaboração com a editora Meininger, organizou pela primeira vez, em março de 2023, o “World of Zero”, centrado nos vinhos desalcoolizados.

Esta é também a razão pela qual o ProWein Business Report 2022 inquiriu pela primeira vez vendedores de 16 países sobre as oportunidades de mercado e o potencial de vendas da categoria de vinhos sem álcool. Trata-se, por conseguinte, do relatório mais completo a nível internacional sobre esta categoria de produtos inovadora e em grande crescimento, que beneficia especialmente da consciencialização dos consumidores em matéria de saúde. Os resultados fornecem pistas sobre que tipos de vinhos sem álcool são procurados em que países e onde os vendedores estão particularmente interessados em introduzir novos produtos sem álcool.

Tendências

A fim de avaliar as oportunidades de venda relativas dos diferentes tipos de vinho, em novembro de 2022, perguntou-se a cerca de 1150 vendedores, importadores, distribuidores, empresários de restauração e hoteleiros, quais os produtos que, na sua opinião, seriam mais procurados em 2023. A lista de produtos de tendência é claramente encabeçada pelos vinhos espumantes (champanhe, espumante e prosecco), que já registaram um grande sucesso nos últimos anos.

Um terço do comércio do vinho considera que os vinhos com baixo teor de álcool ou desalcoolizados são produtos da moda. Em geral, os vendedores veem melhores oportunidades para os vinhos “no-low” do que para os vinhos sem álcool. Para além desta tendência global, existem grandes diferenças regionais entre países.

Os 10 principais mercados para os vinhos com baixo teor de álcool

A Grã-Bretanha ocupa o primeiro lugar tanto nos vinhos com baixo teor de álcool como nos vinhos sem álcool. Tanto é assim que dois em cada três comerciantes britânicos esperam bons resultados. A grande aceitação dos vinhos “no-low” é favorecida, entre outros fatores, pelo sistema fiscal britânico, que tributa muito menos estes vinhos ou não os tributa de todo. No caso dos produtos desalcoolizados, os Países Baixos e a Finlândia estão à frente da Alemanha, com cerca de um terço dos inquiridos a aprová-los.

Na maioria dos países, sobretudo na Noruega, EUA, Canadá, Espanha e Suíça, os vinhos com baixo teor de álcool são mais procurados como produtos da moda do que os vinhos sem álcool. Nos três primeiros mercados, mais de 50% dos vendedores estão interessados neles.

A Alemanha e os Países Baixos foram, até agora, os únicos mercados nos quais a procura de vinhos sem álcool e “no-low” foi classificada de igual forma pelo comércio. Este facto também está em conformidade com os resultados obtidos pelo IWSR, segundo os quais a Alemanha é o mercado mais desenvolvido para os vinhos sem álcool e onde o processo de desalcoolização do vinho por vácuo foi patenteado em 1908.

  Vinhos sem álcool     Vinhos 'No Low'  
1 Reino Unido 53% 1 Reino Unido 67%
2 Países Baixos 43% 2 Noruega 56%
3 Finlândia 36% 3 Estados Unidos 51%
4 Alemanha 34% 4 Noruega 43%
5 Noruega 33% 5 Canadá 36%
6 Bélgica 24% 6 Portugal 34%
7 Dinamarca 22% 7 Alemanha 31%
8 Espanha 21% 8 França 31%
9 Estados Unidos 20% 9 Espanha 28%
10 Suíça 19% 10 Suíça 28%

 

10 principais mercados de vinhos e espumantes sem álcool e com baixa graduação alcoólica.

O vinho espumante e os brancos lideram a categoria “no-low”

Os comerciantes que esperavam bons resultados dos vinhos “no-low” foram questionados sobre os seus tipos de vinho preferidos. Neste caso, os vinhos brancos e os espumantes estão claramente à frente dos rosés e dos tintos, especialmente devido à sua produção. No caso dos vinhos espumantes, a redução do teor de álcool é melhor compensada em termos sensoriais pela carbonatação. No que diz respeito à desalcoolização dos vinhos brancos, a indústria aprendeu muito sobre os requisitos ideais para os vinhos de base desalcoolizados. Quando se elimina o álcool do vinho tinto, os taninos provenientes das peles da uva, tão típicos dos tintos, tornam-se mais proeminentes e têm de ser equilibrados de forma elaborada em termos sensoriais.

Os 10 principais mercados de vinho branco e espumantes sem álcool

Os mercados também variam quanto às preferências de produto para os vinhos “no-low”. No caso dos vinhos espumantes, a América do Norte, a Itália e a Escandinávia situam-se no topo dos 10 principais mercados de venda. Entre 75% e 90% dos comerciantes esperam que os vinhos espumantes “no-low” obtenham muito bons resultados.

Isto também se aplica à maioria dos vendedores da Áustria, Bélgica e França. Quanto aos vinhos brancos sem álcool, juntamente com a Escandinávia, os Países Baixos e a Alemanha também ocupam as primeiras posições, uma vez que têm geralmente uma maior afinidade com os brancos. Até mesmo os países tradicionalmente vinícolas, Portugal e França, surpreendentemente, estão entre os 10 primeiros.

  Espumantes     Brancos  
1 Canadá 91% 1 Dinamarca 78%
2 Itália 79% 2 Noruega 78%
3 Estados Unidos   78% 3 Suécia 76%
4 Noruega 78% 4 Países Baixos 69%
5 Suécia 76% 5 Canadá 68%
6 Áustria 74% 6 Portugal 68%
7 Bélgica 64% 7 Alemanha 67%
8 Finlandia 64% 8 Estados Unidos 65%
9 França 56% 9 Reino Unido 60%
10 Dinamarca 56% 10 França 57%

 

10 principais mercados de vendas de espumantes e brancos “no-low”.

Os 10 principais mercados de rosés e tintos “no-low”

Em geral, os países escandinavos lideram a procura de vinhos “no-low” e, por conseguinte, também de rosés e tintos. Aqui, tal como na Grã-Bretanha, a redução da tributação desempenha um papel importante. Quanto aos vinhos rosé, a Escandinávia é seguida pela Bélgica e pela Grã-Bretanha, bem como pela Alemanha e Áustria. Os bons resultados dos vinhos rosé em França também são visíveis nos vinhos com baixo teor álcool.

No que respeita aos tintos, a Escandinávia é seguida pelos dois países norte-americanos, onde quase dois terços dos profissionais veem perspetivas promissoras para os vinhos tintos “no-low”. Mesmo os grandes produtores de vinho tinto - Espanha, Portugal e Itália - estão entre os 10 principais mercados de tintos com baixo teor de álcool.

  Rosés     Tintos  
1 Dinamarca 78% 1 Dinamarca 83%
2 Noruega 67% 2 Suécia 76%
3 Bélgica 62% 3 Canadá 64%
4 Reino Unido 60% 4 Estados Unidos 63%
5 Alemanha 56% 5 Noruega 56%
6 Áustria 55% 6 Espanha 53%
7 França 49% 7 Portugal 49%
8 Canadá 45% 8 Reino Unido 47%
9 Estados Unidos 43% 9 Itália 48%
10 Portugal 43% 10 Bélgica 38%

 

10 principais mercados de venda de rosés e tintos “no-low”.

Reação do setor perante a tendência “no-low”

Um em cada dois vendedores pretende incluir novos vinhos com baixo teor de álcool na sua lista no próximo ano. Ou seja, 16% dos inquiridos querem incluir vinhos de baixa graduação e 11% vinhos sem graduação. Apenas 30% destes comerciantes não tencionam encomendar novos produtos sem álcool porque consideram que as suas gamas já estão bem diversificadas.

Por outro lado, uma proporção menor planeia oferecer novos produtos com baixo teor de álcool (30%) e produtos sem álcool (15%). Alguns destes produtores já têm vinhos sem álcool nas suas gamas, razão pela qual 52% não tencionam alterar o seu portefólio em 2023, por enquanto. No entanto, algumas destas empresas gostariam de aumentar a quantidade produzida destes vinhos.

Diferenças na produção

Outra razão pela qual este número de produtores é bastante baixo é o processo técnico de desalcoolização, que não pode ser efetuado por conta própria pelos pequenos e médios produtores. Os sistemas necessários para este processo só são oferecidos por alguns grandes fabricantes especializados e prestadores de serviços que, em parte, especificam determinadas quantidades mínimas para o fabrico por encomenda. Para alguns produtores, estas quantidades mínimas são (ainda) demasiado elevadas. Uma solução poderia consistir em algumas empresas produzirem um vinho de base desalcoolizado em conjunto para depois o comercializarem com os seus próprios rótulos, como já se faz na região vinícola alemã de Rheingau.

A produção de vinhos “no-low” pode ser controlada até certo ponto pelos próprios produtores através de medidas vitivinícolas e enológicas adequadas. Muitas empresas informaram que estão a experimentar e a procurar formas de produzir vinhos de qualidade com baixo volume de álcool, especialmente nos países mais afetados pelas alterações climáticas, onde o teor de açúcar nas uvas e, consequentemente, o teor de álcool dos vinhos já aumentou claramente. No entanto, a desalcoolização parcial para volumes mais baixos, como 5% ABV (Alcohol By Volume), requer instalações especiais.

Interesse comercial pelos produtos “no-low”

A tabela mostra a percentagem de comerciantes por país, que tencionam incluir nas suas listas novos vinhos “no-low”, com referência às empresas que consideram que é uma tendência (coluna da esquerda) e com referência a todos os vendedores (coluna da direita).

Uma vez mais, torna-se evidente a diferença entre as categorias “low“e”no-low”. É evidente que existe um interesse claramente maior em incluir vinhos com baixo teor alcoólico. Nos Estado Unidos, por exemplo, um em cada dois inquiridos (47%) pretende incluir novos vinhos com baixo teor alcoólico, mas apenas um em cada doze (8%) procura vinhos sem álcool. Também na Noruega, esta percentagem é de 44% para os vinhos com pouco álcool e de 20% para os vinhos sem álcool.

Só nos Países Baixos (21%) e na Alemanha (18%) é que os vendedores estão ligeiramente mais interessados nos vinhos sem álcool do que nos vinhos com pouco álcool.

  Baixa graduação     Sem álcool  
1 Estados Unidos 47% 1 Reino Unido 29%
2 Noruega 44% 2 Países Baixos 21%
3 Reino Unido 42% 3 Noruega 20%
4 Canadá 30% 4 Espanha 18%
5 Suíça 20% 5 Alemanha 18%
6 Países Baixos 18% 6 Finlandia 18%
7 Portugal 17% 7 Bélgica 11%
8 Alemanha 13% 8 Suíça 10%
9 Dinamarca 10% 9 Dinamarca 9%
10 Itália 10% 10 Estados Unidos 8%

 

Lista dos países mais otimistas na sua intenção de introduzir vinhos sem álcool ou com baixa graduação alcoólica.

A inovação, motor das vendas do futuro

Para os próximos anos, os especialistas esperam muitas inovações no setor das bebidas sem álcool, desenvolvidas para satisfazer ainda mais o gosto e as necessidades dos consumidores. Uma bebida análoga ao vinho sem álcool não tem necessariamente de ser obtida a partir de vinho desalcoolizado: os primeiros produtos experimentais com chá, extratos de lúpulo e outros ingredientes já estão a dar resultados, como demonstra o espumante rosé sem álcool Kylie.

REVISTAS

Siga-nos

Media Partners

NEWSLETTERS

  • Newsletter iAlimentar

    17/07/2024

  • Newsletter iAlimentar

    10/07/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.ialimentar.pt

iAlimentar - Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Estatuto Editorial