Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa
Onde investir no setor alimentar: uma análise Freedom Finance

Será a crise alimentar global um motor para os produtores de alimentos artificiais?

29/06/2022
Os alimentos artificiais são bens que são produzidos pela capacidade do homem de sintetizar substâncias a partir de materiais vegetais e dar-lhes a forma de produtos animais. O facto é que a população mundial está a crescer todos os anos, e as possibilidades de produção alimentar extensiva (aumentando as áreas de cultivo, aumentando as explorações agrícolas) estão esgotadas.
foto

De acordo com uma análise financeira ao setor alimentar global, levado a cabo pela Freedom Finance Europe, especialista no mercado bolsista, todo o mundo civilizado mudou há muito tempo para um modelo de desenvolvimento intensivo, utilizando novas tecnologias na agricultura e, neste contexto, os novos produtos químicos e maquinaria tornaram possível aumentar muitas vezes os rendimentos nas terras agrícolas.

As novas vacinas podem minimizar as epidemias virais que afetam o gado. No entanto, o modelo intensivo também tem o seu próprio recurso de produtividade. A Freedom Finance Europe salienta ainda outros factos relevantes na sua análise, nomeadamente que, de acordo com o Banco Mundial, havia 7,75 mil milhões de pessoas no planeta no final de 2020 e a ONU prevê que o crescimento populacional seja de 9,7 mil milhões de pessoas até 2050. Este mesmo relatório diz que o maior aumento da população nos próximos 28 anos virá da Índia, Nigéria, Paquistão, RDC, Etiópia, Tanzânia, Indonésia, Egipto e EUA.

Para contrabalançar os efeitos do futuro crescimento populacional, os cientistas começaram a desenvolver alimentos artificiais. A “carne cultivada em laboratório” está a tornar-se mais barata de dia para dia. A carne é o produto que será mais escasso no futuro devido à impossibilidade de aumentar a produção em termos de regulamentos ambientais e a disponibilidade de terras em países com um clima adequado para o negócio.

A atual crise alimentar, desencadeada em grande parte devido à guerra da Rússia contra a Ucrânia, ameaça a escassez de bens em que a Ucrânia tinha um peso significativo nas exportações. Estas mercadorias são principalmente cereais. A Ucrânia produz 27% dos girassóis do mundo, 5% da cevada, 3% do trigo, 3% da colza e 2% do milho.

Atualmente, as exportações destes produtos representam 10% do seu nível anterior à guerra, o que levaria à escassez em países como a Indonésia, Espanha, Países Baixos, Irão, Paquistão, Líbia e Tunísia. Trata-se de bloquear os portos ucranianos. Embora Mariupol e Berdyansk ocupados representassem apenas 5% da capacidade de exportação, os restantes 95% (Odessa e Mykolayiv) permanecem bloqueados devido à ameaça a navios estrangeiros.

Também não devemos esquecer, salienta a especialista, o mercado da carne de frango, onde a Ucrânia tem vindo a construir ativamente a sua posição nos últimos anos. Por exemplo, a Ucrânia exportou 109.000 toneladas de carne de frango para a UE em 2020 e classificou-se em terceiro lugar entre os maiores fornecedores de carne de frango para a UE, atrás do Brasil e da Tailândia.

No entanto, o que é agora o mercado para alimentos artificiais é predominantemente de produtos substitutos da carne, que em média são duas vezes mais caros do que a carne convencional (carne de vaca ou de porco). Por outras palavras, não é um produto de massa, mas sim um produto de nicho (semelhante aos alimentos biológicos). Num contexto de inflação crescente no mundo (mais de 8% nos EUA e 7,5% na Europa), o mercado para produtos de nicho dispendiosos tende a encolher.

Além disso, a Ucrânia não exporta carne vermelha em volumes significativos, pelo que o fator guerra na Ucrânia não provocará uma escassez deste produto e não provocará uma procura adicional de alimentos artificiais.

Mas, este segmento não deve ser descontado das contas de investimento. Como descrito no início, a população vai crescer em todo o mundo e é apenas uma questão de tempo até mudarmos para fontes alternativas de proteínas e gorduras. O problema por agora é o custo elevado do produto acabado, o que torna o produto incomportável para o consumo diário da maioria da população. A longo prazo, haverá um processo de barateamento da tecnologia de produção semelhante aos gadgets, internet e carros elétricos. Todos estes artigos do mundo da alta tecnologia eram inacessíveis às massas na fase inicial de penetração no mercado.

foto

Este é um setor a investir?

Para a Freedom Finance Europe, nos próximos anos de recuperação económica global do pós-guerra, deverá ser dada atenção a algumas empresas de alimentos artificiais, nomeadamente à Beyond Meat, Kellogg e Hormel Foods. A especialista avança com alguns argumentos de peso.

A Beyond Meat é uma empresa analógica de carne com base em plantas. Devido a relatórios piores do que o esperado na segunda metade de 2021 e à sobrevalorização global da empresa no pós-IPO, as ações caíram 70%. Contudo, a Beyond Meat está a lançar em 2022 uma série de produtos para convencer os consumidores a aumentar a lealdade para com a empresa. A empresa lançou recentemente os hambúrgueres McPlant (em todos os restaurantes McDonald's nos EUA, Reino Unido e Irlanda) e Beyond Meat Jerky. A empresa também expandiu a distribuição do seu Beyond Chicken Tender para 8000 novos distribuidores, com o importante objetivo de desenvolver o seu sucesso com os hambúrgueres Beyond Meat.

Esta jovem empresa não tem um desempenho financeiro claramente positivo. Contudo, as receitas crescentes e a absorção de uma quota de mercado crescente, juntamente com uma comercialização agressiva, poderiam aumentar o stock com o surgimento dos primeiros resultados operacionais positivos. Em geral, embora este ativo seja a marca mais promovida no mercado de alimentos artificiais, precisa de ser considerado em detalhe antes de se fazer um negócio.

A Kellogg é uma grande empresa alimentar multinacional que produz e vende cereais e alimentos de conveniência. Em 2019, a Kellogg entrou no mercado de carne vegetal, lançando uma nova alternativa de carne, Incogmeato, através da sua subsidiária Kellogg MorningStar Farms. O produto contém proteína de ervilha e substitui a carne animal em pratos populares como tacos e fajitas. Além disso, muitos especialistas falam de uma possível aquisição da Beyond Meat pela Kellogg. Esta empresa deve ser vista como um negócio diversificado com uma participação no segmento dos alimentos artificiais.

A Hormel Foods é uma empresa multinacional de alimentos embalados sediada no Minnesota, EUA. Fundada por George A. Hormel em 1891, é mais conhecida pelos seus produtos de carne enlatada, incluindo os guisados de carne Spam e Dinty Moore. Em 2015 adquiriu a Applegate Farms, um produtor de produtos de carne orgânica e natural, para expandir a sua carteira. A Hormel já vende alternativas de carne vegetal sob a marca Happy Little Plants em algumas lojas de retalho e online. De acordo com a Hormel, os produtos Happy Little Plants estão isentos de antibióticos e hormonas e são também baixos em sódio e gordura.

A Hormel Foods é outro exemplo de uma grande empresa que criou um nicho no mercado e que pode gerar um fluxo de caixa estável. Esta empresa pode ser vista como representativa do segmento de processamento alimentar.

Finalmente, notamos que o segmento dos alimentos artificiais continua a crescer à medida que a população mundial aumenta. Há uma série de empresas que já estão a destacar os seus segmentos empresariais especializados em produtos alternativos de carne. Como o caminho para o consumo em massa de tais produtos não está próximo, as empresas com segmentos de negócio centrais nas indústrias alimentares tradicionais continuam a ser consideradas.

LFAExposalão - Centro de Exposições, S.A. : expo Alimenta

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

www.ialimentar.pt

iAlimentar - Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Estatuto Editorial